Alta de 1,7% da economia do Centro-Oeste

10 de novembro de 2012 RECIFE - A economia do Centro-Oeste, que cresceu 1,7% no trimestre encerrado em agosto, segundo o Boletim Regional de Economia divulgado hoje na capital pernambucana pelo Banco Central (BC), foi favorecida, em parte, pela expressiva participação da agroindústria em sua estrutura. Isso fez com que a economia da região sofresse menos, ao longo do ano, com os impactos do acirramento da crise internacional. "De fato, após revelar, nos primeiros meses do ano, retração inferior à assinalada em âmbito nacional, os indicadores setoriais da região Centro-Oeste, evidenciando os desdobramentos da trajetória das exportações agroindustriais sobre as atividades industrial e varejista e sobre o mercado de trabalho, passaram a registrar maior dinamismo", diz o documento do BC. As vendas no varejo da região, mantendo, na margem, a trajetória crescente observada desde o início do ano, registraram aumento de 2,1% no trimestre encerrado em agosto, em relação ao terminado em maio, quando haviam se elevado 0,5%, nesse tipo de comparação, de acordo com dados dessazonalizados da PMC do IBGE. Ainda de acordo com o Boletim, a agregação das estatísticas referentes a Goiás e Distrito Federal, para os quais as vendas varejistas encontram-se segmentadas por ramo de atividade, revela aumentos trimestrais respectivos de 4,6% e 1,6% nos segmentos móveis e eletrodomésticos e hipermercados e supermercados, contrastando com o recuo de 3,7% assinalado nas vendas de combustíveis e lubrificantes. "O comércio ampliado, refletindo os aumentos respectivos de 10,5% e 2,2% observados nas vendas de veículos, motos partes e peças e de materiais de construção, cresceu 3,7% no trimestre. Vale mencionar que o comércio ampliado registrou elevações de 5% no Mato Grosso do Sul, 3,8% no Mato Grosso, 3,3% no Distrito Federal, e 3% em Goiás", informa o documento. (Fonte: Agência Estado)